Sabe qual a marca que está mais atenta às emoções dos consumidores?

A Chanel lidera o ranking de marcas «emocionalmente inteligentes», seguida de perto pela Louis Vuitton. Ficou confuso? Pois bem, é simples. Em causa estão as sensações que as marcas desencadeiam nos consumidores.

A conclusão é do «Índice de Marca Emocionalmente Inteligente 2018», levado a cabo pelo Luxury Institute, sedeado em Nova Iorque. Em causa está a avaliação dos consumidores norte-americanos face às principais marcas de moda feminina de luxo. Para que fique a entender melhor, dizemos-lhe ainda que a «Inteligência emocional» é um conceito que, em Psicologia, descreve a capacidade de reconhecer e avaliar os próprios sentimentos e os dos outros, assim como a capacidade de lidar com eles.

Neste ranking, a Chanel obteve uma pontuação geral de 7,14 (numa escala de um a 10). A qualidade dos produtos e a experiência de atendimento ao cliente são os fatores destacados pelos utilizadores no que toca a esta marca. Contudo, no que diz respeito à empatia com os clientes a marca desce para o 8.º posto.

Em contrapartida, a marca Stella McCartney, embora tenha ficado em 17.º lugar na qualidade dos produtos, lidera o ranking de empatia com o cliente, generosidade e gentileza.

«Costumávamos rir-nos dos políticos que diziam que as empresas são pessoas. Também nos ríamos das marcas de luxo que vendiam ténis. Mas hoje em dia, os consumidores de todas as gerações, mas principalmente os Millennials, olham para as marcas como entidades vivas, olham para os valores e comportamentos de quem as lidera. Uma marca é, hoje, conhecida muito além dos seus produtos. Se uma marca carece de inteligência emocional, fica em clara desvantagem na probabilidade de sucesso a longo prazo ou mesmo sobrevivência», defende Milton Pedraza, do Luxury Institute.