Ricardo Luz é o cozinheiro do ano

Ricardo Luz vencedor do Chefe Cozinheiro do Ano 2019.

O sub-chefe do restaurante algarvio Bon Bon, Ricardo Luz é o vencedor da 30ª edição do Chefe Cozinheiro do Ano. Anunciado esta quarta-feira no Porto, o vencedor conta, no seu curriculum, com passagens pelos restaurantes “Tavares Rico”, “Penha Longa Resort” e “Vila Vita Parc”.

Texto de Filipe Gil

Bruno Ribeiro, de 33 anos, subchefe da 1300 Taberna, em Lisboa, e João Pedro Santos, de 39 anos, subchefe do “The Yeatman”, em Vila Nova de Guia, ficaram em segundo e terceiro lugar, respetivamente. Estiveram também em competição António Pedro Fernandes, de 27 anos e do Porto Royal Bridges, do grupo Jase Hotels & Resort, e Wilson Costa, de 31 anos e do Hotel Vale d’Oliveiras Quinta Resort & Spa.

Bruno Ribeiro, subchefe da 1300 Taberna, em Lisboa, ficou em segundo lugar no concurso Chefe Cozinheiro do Ano 2019.

O Chefe Cozinheiro do Ano, criado em 1990, é um dos concursos de gastronomia mais antigos da Europa. Divide-se em quatro fases, iniciando com a receção de receitas com fichas técnicas para avaliação do júri de cozinheiros de todo o país. Depois das várias etapas e eliminatórias, que decorrem ao longo de um ano, realiza-se a competição final com seis finalistas – que este ano decorreu na Alfândega do Porto.

João Pedro Santos, subchefe do “The Yeatman”, em Vila Nova de Guia, ficou no terceiro lugar no Chefe Cozinheiro do Ano 2019.

Ricardo Luz venceu a competição com um menu onde preparou vários pratos: Caldeirada de Bacalhau com Ravioli de Sames e Língua, Salmonete e seus Fígados, Ervilhas e Milhos Fermentados, Arroz de Cherne e Gamba da Costa, Presa de Porco, Rabo, Nabo e Couve e Sericaia de Morangos e Poejos

Um dos pratos executados pelo chef Ricardo Luz durante o Chefe Cozinheiro do Ano 2019: Caldeirada de Bacalhau, Ravioli de Sames e Língua

De acordo com António Bóia, presidente do júri, o vencedor “teve a prova mais regular. Dos seis finalistas foi aquele com maior consistência do início ao fim da prova e o que mais se destacou no sabor, na técnica e no desempenho profissional. Não há um prato nos cinco que se destaque porque todos seguiram um nível superior e coerente”.

Também foi também atribuído o Prémio Helmut Ziebell, a António Queiroz Pinto, 26 anos, do restaurante Tormes, em Baião, pela sua sobremesa Fatias do Freixo, Gelado de Queijo de Cabra e Pêra Bêbada. Este galardão extra entregue desde da primeira edição em 1990, destaca o prato mais inovador do concurso.