O chocolate mais caro do mundo vem da floresta do Equador

Há quem adore chocolate. Se é uma dessas pessoas, este artigo é para si. Mas será que gosta ao ponto de dar mais de 300 euros por uma caixa?

Tudo começou quando os criadores deste chocolate resolveram participar num programa de conservação da floresta tropical, o «Third Millennium Alliance». Assim nascia a To’ak Chocolate, uma empresa de chocolate equatoriana que usa cacau cultivado no meio da floresta no Vale Piedra de Plata, no Equador.

Segundo o fabricante, este chocolate cresceu cercado de mais de 50 espécies de árvores tropicais, o que influencia o sabor do cacau. Após a fermentação e secagem, o cacau é transportado para Quito, onde é transformado em chocolate.

O cacau é envelhecido, como se faz com o whisky: «Com o tempo os taninos e polifenóis são quimicamente alterados através do processo de oxidação, o que resulta numa evolução do sabor», explica o site. Exemplo disso é a linha «2014 Vintage», feita com cacau envelhecido 18 meses.
De acordo com um dos sócios da empresa, Jerry Toth o objetivo é «inverter a ideia do modelo de produção em massa». «Há 5.000 anos de história por trás deste produto» diz. «Em vez das opções mais baratas, procuramos as opções de melhor qualidade durante todas as etapas do processo», acrescenta.

Atualmente, existem três variedades do chocolate To’ak: 2014 Vintage Cognac, 2015 Vintage Islay Scotch e 2015 Vintage Kampot Pepper.