Joias indiscretas para o prazer no feminino

A marca existe há 12 anos, e já está em mais de 40 países. Uma das sócias é portuguesa e a DN Ócio esteve à conversa com ela. Elsa Viegas é uma das fundadoras da Bijoux Indiscrets, marca que já criou um vibrador em forma de diamante.

Texto de Patrícia Tadeia

Cresceu em Lagos, no seio de uma família conservadora. «A minha avó era catequista. O meu avô sempre me disse que primeiro tinha de estudar e depois logo pensava nos namorados», recorda. Desde pequena que se intrigava com a forma como a sociedade olhava para as mulheres, com a forma como eram rotuladas pelo seu comportamento ou pela roupa que usavam. Anos depois, e depois de um curso da ESAD nas Caldas da Rainha, resolveu viajar para Barcelona, onde estudou Design Gráfico. Ainda trabalhou numa empresa de publicidade até conhecer aquelas que viriam a ser as suas sócias. Para a avó, a catequista, continuou a ser a designer que tinha uma empresa com amigas. Para o resto do mundo, Elsa foi uma das co-fundadoras da Bijoux Indiscrets, uma marca de produtos eróticos e sensuais.

Um estudo aponta Espanha como um dos 12 países com maior taxa de satisfação sexual e com os melhores amantes do sexo masculino. Talvez isso tenha ajudado a que, em 2006, Elsa Viegas e as sócias se tenham atirado de cabeça numa marca de joias indiscretas que está hoje em mais de 40 países em todo o mundo. «A empresa existe há 12 anos sem qualquer tipo de preconceito ou pudor», começa por dizer Elsa.

«Há sempre uma certa reserva quando se fala de prazer feminino, é um tema tabu mesmo entre amigas.»

Embora tivesse crescido numa família conservadora, os pais aceitaram desde logo o projeto e só não contou à avó por receio da sua reação. Hoje já repensou no tema: «Sei que era mais eu que tinha o tabu de explicar bem o que fazia, porque sei que ela ia apoiar à mesma.»

A Bijoux Indiscrets apresenta atualmente uma variada gama de acessórios sensuais, cosméticos eróticos e brinquedos íntimos desenhados por mulheres e para mulheres. «Há sempre uma certa reserva quando se fala de prazer feminino, é um tema tabu mesmo entre amigas. Fala-se muito, mas não se fala quase nada. Nós queremos romper com esses tabus que existem em relação ao nosso próprio corpo», refere.

Até porque, ter esse tipo de relação com o nosso corpo é um luxo: «É um verdadeiro luxo sempre que conseguimos dedicar esse tempo de qualidade. Com o ritmo de vida que temos, a nossa sociedade obriga-nos a cuidar muito o exterior, e esquecemo-nos que tudo começa por dentro. Esse é o verdadeiro luxo, sentirmo-nos bem connosco. A sexualidade é um ponto mais, é tão importante desfrutar de uma sexualidade sã e sem tabus, sem medos, equilibra-nos tanto como pessoas que se torna também um luxo poder desfrutar dela livremente», acrescenta a fundadora da marca que criou o ‘Twenty One’, um vibrador em forma de diamante que fez furor no público feminino.

«Esse é o verdadeiro luxo, sentirmo-nos bem connosco. A sexualidade é um ponto mais, é tão importante desfrutar de uma sexualidade sã e sem tabus, sem medos, equilibra-nos tanto como pessoas que se torna também um luxo poder desfrutar dela livremente.»

E por falar em luxo, entre os vários produtos, a Bijoux Indiscrets apresentou recentemente um produto que é ao mesmo tempo uma edição comemorativa. «O ’12 Sexy Days’ uma caixa de luxo, com os nossos 12 produtos mais icónicos, e que celebra os nossos 12 anos. Atrás de cada janelinha, há um produto nosso. É uma prenda que junta acessórios como correntes corporais ou o nosso diamante vibrador. Está avaliado em 350 euros e, mas estamos a vender por 195 euros», explica a cofundadora da marca que já teve como clientes «dois atores famosos de Hollywood».

«Não posso revelar os nomes, só posso dizer que um de eles era um sex symbol dos 90’s. Fizemos ainda parte da seleção de São Valentim de Kim Kardashian West. com as nossas algemas de malha metálica Desir Metállique, e sabemos que famosas como Gigi Hadid, Kendall Jenner ou Niki Minaj são fãs dos pasties FLASH [Nipple Covers] para combiná-los com transparências», acrescentou.

E foi em Lisboa que Elsa lançou também outra das novidades da marca: a primeira coleção holística aliada à descoberta do prazer feminino. Chama-se HORØSCOPE e consiste em 12 kits distintos, inspirados na personalidade e características únicas de cada signo do zodíaco. Cada caixa inclui um ritual personalizado com um objetivo comum: reconectar a mulher com a sua energia feminina. «Cada pedra está vinculada a um signo, tem propriedades para essa pessoa. Mas a pedra para essa pessoa vai ter propriedades diferentes do que teria em contacto com outra pessoa, por isso sim, é grande parte da personalização. Mas também é uma desculpa. Isto foi feito para mim, agora vou ter mesmo de usar este tempo para mim. É uma boa desculpa para dedicar este tempo de qualidade», refere.

A marca que já teve como clientes «dois atores famosos de Hollywood». Elsa não revelou os nomes mas adiantou «que um de eles era um sex symbol dos 90’s».

O novo produto alia astrologia, aromaterapia (óleos essenciais e fragrâncias que visam melhorar o bem-estar físico e psicológico) e litoterapia (medicina não convencional que visa tratar sintomas através dos cristais, rochas e minerais, por via da ressonância ou da vibração própria a cada gema).

Isto porque além do fio, com a pedra relativa ao signo do zodíaco – em que o ideal é que o cristal esteja em contacto com a pele, equilibrando a energia, e por isso é disponibilizado num colar, -, o kit inclui ainda um bálsamo orgásmico ou de prazer, com ingredientes naturais com óleo de coco e óleo de amêndoas e princípios ativos desenvolvidos por um laboratório alemão, com moléculas com efeito calor e frio e inspirados nos elementos naturais (terra, água, ar e fogo), e ainda um anel vibrador. «A terceira parte é o ritual de prazer. Tem um botão de on e off, três intensidades e 7 modos de vibração. É uma boa desculpa para explorar o nosso corpo e descobrir o que gostamos. A estimulação externa é o que mais dá prazer às mulheres, mas o que está implicado na sociedade é que tem de haver penetração para haver prazer. Nós estamos a tentar desmistificar isso, trazendo mais informação», conclui Elsa.