Lexus LS 500h: o topo de gama de 150 mil euros

A maioria dos automóveis é construído com o habitáculo onde (quase toda) a atenção é centrada no condutor. Neste Lexus LS 500h não é bem assim. O conforto de quem se senta nos bancos traseiros rivaliza, em parte, com o prazer da condução que este automóvel proporciona.

Texto de Filipe Gil / Fotografias de Fernando Marques/Motor24

Mas vamos por partes, e comecemos pela dianteira. O topo de gama da Lexus é um carro de luxo. Ponto. Com um preço a começar em 130 mil euros o que, com alguns extras e dependendo da versão chega facilmente aos 150 mil. Testamos a versão Luxury que anda na ordem desse valor. É um automóvel feito para andar muitos e muitos quilómetros a boas velocidades (sempre dentro da legalidade, claro) e no máximo conforto possível. Nos vários dias que o testamos foi isso que percebemos.

O ecrã tátil de 12 polegadas com gráficos 3D que a informação que hoje se quer necessária para uma boa condução ajuda a parafernália de opções. Contudo, o sistema de visualização frontal – uma técnica que a industria automóvel foi buscar à aviação militar – dá ao condutor uma série de informação (GPS, sinais de trânsito, velocidade, etc.) sem que tiremos os olhos da estrada.

Outro dos destaques é o sistema de som. A parceria com a marca de alta-fidelidade Mark Levinson e que colocou 23 altifalantes espalhados pelo habitáculo dá facilmente a sensação que estamos dentro de uma sala de cinema. Excelente, mas que requer algum cuidado no nível de «abstração» ao mundo que nos rodeia. Afinal, estamos num veículo em movimento.

Apesar do conforto que já revelamos na parte de trás deste topo de gama, onde os bancos podem ficar num ângulo de reclinação que dá maior conforto possível para se fazer muitos quilómetros. E apesar de quem conduz ficar com uma certa «inveja» do descanso que esses bancos permitem, é na parte dianteira que existe um sistema de massagem com cinco programas diferentes para áreas específicas do corpo desenvolvidos em conjunto pela marca e um mestre japonês de shiatsu. Afinal, importa que o condutor tenha o melhor conforto possível

Em relação à segurança, este Lexus vem equipado com 12 os airbags – 14 no caso da opção de ser equipa no banco traseiro elétrico. Acresce ainda um sistema desenvolvido pela marca nipónica: O Lexus Safety System plus, que inclui alerta de tráfego transversal dianteiro, sistema de deteção de peões e direção assistida ativa.

Apesar do extremo conforto, do cuidado e da qualidade dos materiais – os painéis das portas são plissados à mão, um carro é um carro e serve para andar. E este, que é híbrido, anda muito. O motor elétrico leva-o até aos 140 km/h. Mais do que esses valores é o motor a gasolina que entra em funções em parceria com o elétrico. Mais uma vez, não podemos deixar de sublinhar que a velocidade máxima em auto estrada são os 120 km/h. É muito fácil neste topo de gama ter-se a tentação de carregar no acelerador. Aliás, os seus 179 cv de potência ajudam a atingir rapidamente esses valores.

Um pormenor que pode fazer diferença para quem gosta de exclusividade: a Lexus cria as suas próprias cores. A marca diz que o processo pode demorar até dois anos e sendo que até hoje foram criadas 30 novas.

Em suma, é um veículo que aposta no conforto, nos interiores de luxo e que até nos faz esquecer o potente motor híbrido que facilmente nos coloca em velocidades acima da lei. É um automóvel para andar, muito e com o máximo conforto. No dia que o entreguei à marca, levei o meu filho mais velho à escola. Ao sair do veículo, depois de endireitar o banco quase deitado, disse-me: «este carro parece um avião». Tudo dito, não.