Lexus ES 300h: o desportivo que veste a pele de cordeiro

Paisagem idílica. Curva e contra curva a um ritmo de rodagem perfeito para apreciar a paisagem. O verde das árvores com o castanho das montanhas. Lá ao fundo, um pico de neve da serra que é a estrela daquelas paisagens. A música embala-nos no conforto da ergonomia forrada a estofos de pele. Eis senão quando a música na rádio muda. O som fica mais ritmado, mais vivo e com isso a vontade de pressionar o acelerador. E o automóvel responde.

Texto de Filipe Gil

As curvas são feitas com precisão, apesar de alguma velocidade parece que estamos agarrados a carris. Curvas bem delineadas. Apesar do cuidado, o Lexus dá a confiança para o colocarmos um pouco mais à prova. Rodamos o cilindro acima do volante para condução desportiva. Primeiro o Sport S depois, com pouca paciência e quando o ritmo da música do rádio acelera um pouco mais, para o Sport S+. Parece que estamos a olhar para os comandos de um jogo eletrónico de condução. Mas nada ali é virtual. O motor faz mais barulho e percebemos que temos nas mãos um desportivo com emoção.

De um momento para o outro passamos de um sedan com as linhas clássicas da Lexus para um super-desportivo. Os estofos de pele tingidos de encarnado, a resposta do motor e a mudança de caixa automática, a resposta na aceleração confirma: estamos mesmo ao volante de um desportivo.

 

Mais cedo que o esperado chegamos ao restaurante num hotel à beira da estrada que nos leva a Belmonte. Estacionamos e saímos do automóvel. E há que certificar que, do lado de fora, continua a ser um tranquilo sedan da marca nipónica. Seria um segredo só nosso, não fossem as letras discretas Sport colocadas na portas. Mesmo assim, não há dúvidas, este Lexus é um lobo que veste pele de cordeiro.

Escrevemos sobre o Lexus ES 300h F Sport,esta é a sétima geração do sedan de maior sucesso da marca japonesa. O ES surgiu em 1989 e tem um total de 2,3 milhões de vendas em todo o mundo, o que prova o seu sucesso. A versão testada, a F Sport, tem como diferencial dos restantes ES um spoiler traseiro sobre a tampa da bagageira, logótipos próprios e uma faixa inferior escura e jantes de 19 polegadas, mesmo assim, só um olhar mais atento vislumbra as performances que debita, ajudados pelos vários modos de condução possíveis e pela nova suspensão variável adaptativa.

Em suma é para quem gosta de conduzir desportivos sem dizer nada a ninguém.

Este novo modelo é híbrido (gasolina e elétrico) e estreia um sistema com novo motor de 2.5 litros e nova bateria. A potência total do sistema é de 218 cv/160 kW e o consumo de combustível em ciclo combinado é de 5,3 l/100km (WLTP). E demora 8,9 segundos dos 0 aos 100 km/h.

Como nota final, o preço do modelo testado ronda os 67 mil euros. Em suma é para quem gosta de conduzir desportivos sem dizer nada a ninguém.


Veja também

Alpine A110: o irredutível gaulês