1935. «Receber bem é conquistar um amigo em cada visita»

«Receber bem é uma tradição sagrada que se mantém em Portugal (…), a hospitalidade portuguesa é uma das mais lindas realidades com que se deparam os que nos visitam.» Uma verdade que se mantém inabalável até aos dias de hoje, como confirmava em 1935 a edição de 1 de agosto do Diário de Notícias.

Texto de Patrícia Tadeia

Oitenta e três anos depois, pouco mudou. Só a grandiosidade dos eventos, o que revela a evolução do turismo em Portugal. Atracou, recentemente, no Terminal de Cruzeiros de Santa Apolónia o «The World», um verdadeiro condomínio de luxo sobre as águas. Trata-se do maior iate residencial do mundo. Tem 165 apartamentos e a bordo 142 famílias de 19 países. Todas com um destino – entre outros tantos –, o de parar em Portugal.

Já em 1935, chegavam a terras nacionais, mais especificamente ao Cais da Rocha de Conde de Óbidos, «excursionistas ingleses». E defendia o Diário de Notícias que «quanto melhor recebermos os estrangeiros, tanto mais tentados eles se sentirão a ficar, a voltar e a trazer-nos parentes e amigos. E todos deixarão aqui muito dinheiro».

O mesmo artigo lançava, no entanto, um alerta. «Quando há barco de excursionistas, os cais são assaltados por gananciosos e mendigos (…), transformam-se num verdadeiro mercado género “feira da ladra”, com prejuízo do bom comércio. (…) Explora-se à larga o visitante que chega», acrescenta o jornal, deixando ainda assim elogios aos polícias
de turismo: «São dos melhores da Europa. São risonhos, desfazem-se em amabilidades, orientando, instruindo e auxiliando os estrangeiros.»

Em jeito de lição, termina: «Assim se faz turismo. Receber bem é conquistar um amigo em cada pessoa que nos visita. E Portugal precisa de ter muitos amigos.»