Penha Longa Resort vai abrir restaurante no centro de Lisboa

Penha Longa
Fotografia de Gustavo Bom/Global Imagens

O Penha Longa Resort prepara-se para abrir um novo restaurante no centro de Lisboa no próximo mês de junho.

«Temos uma preocupação permanente em inovar e manter os altos níveis de qualidade antecipados pelos nossos mais exigentes clientes. Temos vários projetos empolgantes planeados ainda para este ano, que serão revelados a seu tempo, tanto dentro como fora do resort», explicou à DN Ócio David Martinez, diretor-geral do Penha Longa.

Texto de Cátia Carmo

O projeto hoteleiro que surgiu em 1993 como Hotel Penha Longa, comemora um quarto de século tem vindo a ganhar cada vez mais referência no cenário gastronómico nacional – é o único resort em Portugal com duas estrelas Michelin – o LAB by Sergi Arola e o japonês Midori.

Durante os últimos anos foram remodelados os 194 quartos e suítes do hotel e nasceu uma piscina infinita, a nove metros do chão. Tal como o espaço, os clientes também têm mudado. Atualmente, o resort é muito procurado por homens que lideram algumas das maiores empresas de tecnologia do mundo, em Silicon Valley.

«Temos consciência que o conceito de luxo está a mudar e que atualmente os clientes que vêm ao Penha Longa querem acima de tudo um serviço de qualidade, experiências únicas que lhes proporcionem momentos inesquecíveis», afirmou o diretor-geral da unidade hoteleira.

A crise económica que Portugal atravessou recentemente foi um dos maiores desafios dos últimos anos, segundo os responsáveis pelo Penha Longa.

«Felizmente vivemos agora tempos diferentes. No entanto, alguns economistas preveem um novo período de recessão económica para Portugal nos próximos anos. O Penha Longa e todos os que constituem a equipa tudo farão para manter a qualidade e excelência reconhecida pelos nossos clientes», disse David Martínez.

A maioria das receitas da unidade hoteleira de luxo são provenientes dos restaurantes e não do alojamento, reflexo da forte aposta na gastronomia.


Veja também:

O gigante do chocolate que não sabia fazer mousse