O melhor pastel de nata de Lisboa instala-se em Sevilha no verão

Sérgio Nascimento, um dos pasteleiros da Santo António, que ganhou o melhor pastel de nata de Lisboa 2019 (Orlando Almeida / Global Imagens)

Fica aos pés do Castelo de São Jorge o melhor pastel de nata de 2019. A iguaria que saiu vitoriosa da última edição do Peixe em Lisboa, prepara-se agora para conquistar o sul de Espanha. Um passo que já estava nos planos antes de a pastelaria lisboeta ter triplicado as vendas do glorioso bolinho.

Texto de Marina Almeida

A pastelaria Santo António conseguiu a proeza no seu segundo ano de vida, com uma receita feita a 12 mãos. Cada um dos seis pasteleiros deu o seu contributo para a versão final da receita. Uma aposta que se revelou vencedora e que, para já, se traduz no triplo das vendas – e a notícia ainda não chegou aos guias turísticos. Os turistas chegam por acaso, apesar dos autocolantes nas janelas da casa já anunciarem a boa nova: “the best cream custard tart 2019”.

O início de tarde está anormalmente calmo na pastelaria, localizado na Rua do Milagre de Santo António. Sérgio Nascimento interrompe a azáfama de “encher natas”, que faz à vista de toda a gente, para subir à sala no andar de cima: durante 20 minutos, as fotografias dos turistas não terão pastéis de nata a nascer às mãos do pasteleiro.

Desde dia 10 tem sido um corrupio de gente a entrar e a sair. Não estavam à espera, foi o primeiro ano que concorreram. “Sempre tivemos consciência do nosso produto, mas daí a ganharmos…”, diz. Mal se soube do resultado, houve que tratar de reforçar a preparação de massa folhada, a parte mais demorada de todo o processo, que deve respeitar tempos de descanso para ficar impecável.

Uma aposta que agora ganha novo alento, com o prémio para o pastel de nata e a perspetiva de chegar a Sevilha no próximo verão

Sérgio Nascimento diz que ainda não foi preciso fazer diretas para satisfazer a procura que disparou com o anúncio do melhor pastel de nata no festival Peixe em Lisboa. Acredita que o maior boom ainda está para chegar e vai acontecer quando a notícia constar dos roteiros turísticos, que levam milhares de turistas ao Castelo de São Jorge. No entanto, a procura já triplicou. Só no domingo passado saíram quatro mil pastéis da loja – uns pelo pé dos clientes, outros em “boxes” nas malas dos estafetas da Uber Eats.

A fase final de preparação dos pastéis de nata acontece à vista dos clientes (Orlando Almeida / Global Imagens)

“A nossa vida complicou que foi uma coisa louca nos dias seguintes. Foi uma correria, nem nós estávamos preparados, tivemos de dar bem ao dedo”, conta Sérgio Nascimento. O chefe pasteleiro veio abrir a pastelaria ainda não fez dois anos, no lugar antes ocupado por uma loja de artesanato. A receita do pastel de nata agora coroado veio do trabalho com os outros cinco pasteleiros da equipa. “Há várias maneiras, várias receitas, vários métodos de preparar e cada um tem a sua técnica. Nós juntámos tudo e criámos uma espécie de laboratório para fazer o nosso pastel de nata”. O segredo do vencedor fica por revelar e a reportagem não pode sequer entrar na cozinha, mas o pasteleiro diz que não está só na massa folhada, ou no creme: está no conjunto.

Uma aposta que agora ganha novo alento, com o prémio para o pastel de nata e a perspetiva de chegar a Sevilha no próximo verão. Luís Veríssimo, pasteleiro e consultor do projeto, diz que a saída do país estava já prevista e que Sevilha foi escolhida pelos preços das lojas, que permitem abrir uma casa numa via principal. O estrangeiro é um caminho para a Santo António, uma vez que em Lisboa o mercado está saturado.

A pastelaria Santo António é a vencedora do melhor pastel de nata 2019. Localiza-se junto ao Castelo de São Jorge, em Lisboa
(Orlando Almeida / Global Imagens)

Tal como Sérgio, Luís espera que o pastel de nata seja uma nova iguaria sem fronteiras, como o croissant – como veio sugerir já este mês a agência norte americana Bloomberg. Na pastelaria Santo António, os autocolantes escrevem-se em português e inglês, mas são de muitas as nacionalidades dos turistas que vão entrando. Um casal francês concentra-se na azáfama de Sérgio atrás do balcão transparente, e na indicação do prémio para o pastel de nata: “Ah! Le premier prix”, exclama o marido, deslindando o mistério. Um grupo de turistas alemães já está servido de pastéis, mas não sabia do reconhecimento. “São muito bons, mas não sabíamos do prémio”, diz Greta, para logo rir generosamente.

Já a família portuguesa Joana, Marco e o filho José Maria, veio de propósito à Santo António. A mãe é fã de pastel de nata e quis provar. O filho estava fascinado com a atividade de Sérgio e colou o nariz ao vidro.

José Maria espreita a azáfama do pasteleiro Sérgio (Orlando Almeida / Global Imagens)

Veja também

Chef dez estrelas Michelin cozinha com peixe de Peniche