Atenção colecionadores: eis a mais velha aguardente vínica de Vinho Verde

Desde 1951 que a família tem guardado um generoso stock de aguardentes vínicas de Vinho Verde.

A Quinta do Tamariz lançou a aguardente vínica mais velha da região dos Vinhos Verdes a ser engarrafada e disponibilizada ao mercado, resultado de um trabalho que começou a ser desenvolvido em 1951, quando se registou o primeiro engarrafamento.

Desde 1951 que a família tem guardado um generoso stock de aguardentes vínicas de Vinho Verde, algumas das quais com mais de 60 anos de estágio em casco de carvalho francês Limousin. «Assumindo-se como um verdadeiro produto de charme da casa, chega ao mercado envolvido numa elegante e sofisticada embalagem, ideal para colecionadores», lê-se na nota de imprensa.

Ao lançamento da nova Aguardente Quinta do Tamariz 40 Anos, juntam-se as novas colheitas dos vinhos da casa, com imagem totalmente renovada que recupera as origens da Quinta do Tamariz. Além de dois espumantes – Espumante Tamariz Bruto Rosé e Espumante Bruto Branco Arinto – serão lançadas as novas colheitas do Quinta do Tamariz Alvarinho Reserva 2017, um monovarietal que confirma a reputação e pioneirismo do produtor, do Quinta do Tamariz Superior 2017 e Quinta do Tamariz Grande Reserva 2017.

A Quinta do Tamariz é um produtor familiar localizado em Barcelos, na sub-região do Cávado, e cuja história começa a ser contada no final do séc. XIX, altura em que António Nunes Borges, um banqueiro apaixonado pela terra, decide expandir a atividade para a exportação de vinho.

A Quinta do Tamariz é um produtor familiar localizado em Barcelos, na sub-região do Cávado, e cuja história começa a ser contada no final do séc. XIX.

Alguns anos depois, já em 1926, pelas mãos da filha, Lúcia Borges Vinagre, que recebe a quinta de Barcelos como prenda de casamento, o projeto ganhou nova forma, tendo-se assistido a um forte desenvolvimento vitivinícola que culminaria num dos primeiros engarrafamentos de vinho em toda a região demarcada.

«Usando apenas uvas próprias, que selecionam manualmente ainda na vinha, os vinhos da Quinta do Tamariz guardam a essência do terroir da região, que se pauta pela agradável frescura e complexidade dos aromas. A vinificação e engarrafamento são feitos meticulosamente não apenas para preservar os sabores originais, mas também para potenciar a sua capacidade de envelhecimento. A cada garrafa é depois atribuído um número de identificação, que permite ao consumidor aceder a qualquer informação sobre essa colheita de forma honesta e transparente», informa a Quinta do Tamariz em nota de imprensa.

«Na sua base estão algumas das castas mais nobres da região – Loureiro, Arinto e Alvarinho – que servem de receita para a criatividade dos enólogos Jorge Sousa Pinto e de Maria Francisca Vinagre. Maria Francisca, juntamente com o marido, António Borges Vinagre, atual representante da quarta geração da família ligado ao projeto, são os responsáveis pela continuação de um honroso legado de mais de 90 anos de produção de vinhos de qualidade, que relançam agora com nova imagem e posicionamento», conclui a mesma nota.