Se os turistas não vão ao Porto, a Taylor’s traz o Porto a Lisboa

A loja da Taylor's em Alfama é o primeiro passo da marca centenária em Lisboa (DR)

A Taylor’s comprou um edifício histórico junto à estação de Santa Apolónia e ao terminal de cruzeiros, em Lisboa, para atrair os turistas que não vão ao Porto. O edifício de Alfama, será a sala de visitas da centenária marca de vinho do Porto – que acaba de inaugurar uma loja a poucos metros.

Texto de Marina Almeida

Beber um vinho do Porto com o Rio Tejo aos pés é a mais recente proposta da Taylor’s. A casa centenária de vinho do Porto chega a Lisboa, com a ideia de por o vinho do Porto na moda. Para isso, aposta num wine bar com uma carta que cobre todas as gamas, onde se pode ir para beber um copo de vinho do Porto, ou provar antes de decidir que garrafa comprar.

Anne Marie Faustino, diretora do Centro de Visitas da Taylor’s em Gaia, é quem dá a cara por este projeto em Lisboa. “A maior parte dos turistas não vai ao Porto, mas querem provar vinho do Porto de qualidade. Por isso nós estamos aqui. É uma grande oportunidade para explicar mais sobre a história de Portugal, da Inglaterra também, mas o vinho do Porto é parte da história de Portugal”, refere.

A nova loja e sala de provas da marca localiza-se na Rua Cais de Santarém, 8, em Alfama, mesmo em frente ao Terminal de Cruzeiros de Lisboa. Um ponto nevrálgico do turismo da capital, que representa um primeiro momento de aposta do grupo Fladgate em Lisboa, depois de Gaia e Porto. Para o futuro, ainda sem data definida, está previsto um centro de visitas em Lisboa num espaço já adquirido pelo grupo, também em Alfama. Trata-se de um edifício localizado imediatamente atrás do icónico Palacete do Chafariz D’El Rei, entre a Rua de São João da Praça e a Travessa de São João da Praça. O edifício está parcialmente desmoronado e contem ruínas históricas, refere a assessoria de imprensa da Taylor’s. “Vamos construir um centro de visitas da Taylor’s. É preciso fazer muito trabalho, tem ruínas romanas, é preciso licenças da câmara, é preciso estudar o espaço”, referiu Anne Marie Faustino.

Sala de provas da Taylor’s em Lisboa tem vinho a copo a partir de cinco euros (DR)

A nova loja e sala de provas da Taylor’s, já a funcionar em pleno, foi pensada não só para os turistas, quer os que chegam nos cruzeiros, quer os que visitam os bairros históricos de Lisboa, como para os portugueses, frisa a responsável. “É uma pena que os portugueses não saibam mais sobre o vinho do Porto. O meu pai é português e eu sempre conheci o vinho do Porto como algo especial”, conta. Mas não só para momentos especiais, como o Natal. “O vinho do Porto como o Chip Dry Tónico posso beber todos os dias. Em vez de fazer um gin tónico, faço um Porto tónico. Queremos mostrar aos portugueses, aos portugueses mais jovens, que se podem fazer muitas coisas com vinho do Porto“, refere, dando como exemplo o Croft Pink Granizado. “Para um dia assim [de calor], é perfeito”.

O novo espaço ainda cheira a tinta fresca. Nas paredes tem fotografias antigas, a preto e branco, que mostram a vindima, bem como alguns cartoons feitos para a marca. A loja e zona de merchandising situa-se no piso térreo, as salas de provas no primeiro andar, com janelas abertas sobre Lisboa. Estão disponíveis vinhos a copo com preços a partir de 5 euros. O vinho a copo mais caro custa 36 euros – trata-se do Taylor’s Very Old Single Harvest Porto, cuja garrafa custa 280 euros. Para os mais indecisos, existe a experiência Taylor’s, em que o visitante pode degustar quatro vinhos do Porto diferentes, por 40 euros. A carta contempla ainda petiscos, como tábuas de queijos, seleção de enchidos, ou trufas artesanais de chocolate negro, bem como o azeite da Quinta de Vargellas.

Anne Marie sublinha que a Taylor’s tem várias gamas de preço, e se os vintage são vinhos caros, os vintage single quinta – Single Quinta de Vargellas ou Single Quinta de Terra Feira – têm preços mais acessíveis (a partir de 48 euros a garrafa, nove euros o copo).

A sala de prova localiza-se no primeiro andar e o staff está apto para aconselhar os visitantes (DR)

A sala de prova está direcionada quer para o mercado nacional, como internacional. Permite, por exemplo, um turista provar o vinho e depois comprá-lo no aeroporto ou já no seu país de destino. A Taylor’s está presente em cem países em todo o mundo, “é muito conhecida”, refere Anne Marie. E por isso aposta, também, numa linha de merchandising, cujos produtos podem também ser comprados na loja de Lisboa.

O Grupo Fladgate, que detém a Taylor’s, tem vários hotéis, entre os quais o The Yeatman, em Gaia, e o Hotel Infante D. Henrique, no Porto. Liderado por Adrian Bridge, prevê inaugurar em 2020 o World of Wine em Vila Nova de Gaia.

Nas caves de Gaia, são os ingleses, franceses, alemães e brasileiros as principais nacionalidades. Ainda à espera dos primeiros visitantes, a loja de Alfama traz a história da Taylor’s para Lisboa. Quando o futuro centro de interpretação abrir as portas, o Porto deixa de ter o exclusivo da experiência das caves de vinhos do Porto.

O Grupo Fladgate, que detém a Taylor’s, tem vários hotéis, entre os quais o The Yeatman, em Gaia, e o Hotel Infante D. Henrique, no Porto. Liderado por Adrian Bridge, prevê inaugurar em 2020 o World of Wine em Vila Nova de Gaia. Trata-se de um complexo de cinco museus, que pretende ser uma âncora de turismo na cidade Invicta, que vai ocupar os antigos armazéns da Taylor’s, num investimento orçado em cem milhões de euros.

 

[NOTÍCIA CORRIGIDA dia 27/05 às 14.50: A redação original referia que o edifício adquirido pela Taylor’s para instalação de um centro de interpretação e visitas do vinho do Porto é o Palacete Chafariz d’El Rei (que já é propriedade do Grupo Fladgate Partnership, dono da Taylor’s). Essa informação foi dada à jornalista pela Taylor’s, que, depois da publicação do artigo, reconheceu que se tratava de um dado errado.]


 

Veja também:

Feitoria Inglesa. Raízes, memória e coração.