Nuno Baltazar, o designer de moda que podia ter sido bailarino

Estilista de moda Nuno Baltazar prepara novo site. (Pedro Granadeiro/Global Imagens)

O Ócio de… Nuno Baltazar

A preparar o novo site e a nova coleção, claro, Nuno Baltazar mudou-se recentemente de armas e bagagens da Avenida da Boavista para a Baixa do Porto, onde inaugurou, em junho, um espaço que combina uma nova loja e atelier. A DN Ócio esteve à conversa com o designer de moda e ficou a saber qual o presente que mais gosta de receber e o seu destino de viagens favorito. Este é Nuno Baltazar, na primeira pessoa.

Se não tivesse esta profissão, seria bailarino. Já tive aulas de dança. O género que mais gosto é o contemporâneo.

Como descrevo o meu estilo? É eclético e nada formal.

Um lugar incrível para onde viajei recentemente… Volto sempre a Marraquexe, acabo sempre por lá voltar, tem uma atmosfera muito especial.

A minha divisão da casa preferida é mesmo o meu quarto. É um espaço onde me sinto muito bem, porque gosto muito da manhã, acordo sempre com sol, não fecho as persianas. No meu quarto tenho um tríptico do Victor dos Reis, um pintor português, que é presidente da Faculdade de Belas Artes.

Victor dos Reis é um pintor português e atualmente o presidente da Faculdade de Belas-Artes.

A minha peça de roupa preferida são as cuecas. Adoro. As que mais gosto são as clássicas brancas da Ralph Lauren.

O melhor presente que dei recentemente foi um colar, uma peça da Flying Seeds, que é um projeto da Catarina Furtado com uma designer de joias, é uma campanha pela igualdade de género.

A Flying Seeds resulta de uma parceria entre Catarina Furtado e a designer de joias Luisa Rosas.

O melhor presente que recebi recentemente… Eu adoro que me deem fotografias ou postais, que me escrevam coisas, que me ofereçam um livro com dedicatória, ou um postal de algum sítio, um fotografia de alguém que gosto muito…

O livro da minha vida é… é difícil nomear um. Mas quando gosto volto sempre a lê-lo. Vou dizer o que ofereci mais vezes: «As Velas Ardem Até ao Fim» de Sándor Márai.

Sándor Márai, foi escritor e jornalista húngaro.

Se pudesse fazer compras numa só cidade em todo o mundo seria na Avenida da Liberdade.

O pedido mais original que me fizeram? [risos] Não sei se posso dizer. Vou brincar um bocado, mas tive uma cliente que uma vez me perguntou se eu podia ser o candeeiro da mesinha de cabeceira dela, para ela acender durante a noite sempre que lhe apetecesse [risos].

O meu «style icon» é a Cate Blanchett.

Cate Blanchett é uma premiada atriz australiana. [Reuteurs]