Lisboa tem mais 97 apartamentos de luxo. Noventa estão vendidos

Lisboa tem mais um empreendimento de luxo no coração da cidade. O SottoMayor Residências é um conjunto de quatro edifícios, localizado junto ao Marquês de Pombal, composto por 97 apartamentos – com tipologias que variam entre T0 e T5 -, jardins, piscina, estacionamento subterrâneo e três lojas. Dos 97 apartamentos, só falta vender sete.

São 26.400 metros quadrados de área bruta de construção, dos quais 16.300 acima do solo, 44 mil metros cúbicos de escavação, 9 mil metros quadrados de lajes demolidas, 2 mil toneladas de ferro, 7 quilómetros de ancoragens e microestacas, 15 mil metros cúbicos de betão. E um investimento de 60 milhões de euros por parte da Coporgest. «Os números traduzem a importância desta obra de arquitetura e engenharia que devolve à cidade um património único», disse Sérgio Ferreira, presidente da Coporgest.

Aquela que é a maior obra de reabilitação residencial urbana dos últimos 15 anos, conta com quatro edifícios, que integram o SottoMayor Residências três são originais dos anos 20, com uma linguagem inspirada na Arquitetura Francesa, tendo sido mandados construir pelo banqueiro Cândido Sotto Mayor. «Com pé-direito alto, salas com tetos decorados e lareiras com boisseries testemunharam a riqueza de uma burguesia que se instalou naquela zona da cidade no início do século XX», lê-se na nota de imprensa.

Três dos edifícios são originais dos anos 20, tendo portanto uma linguagem inspirada na Arquitetura Francesa.

Os edifícios foram adquiridos pela Coporgest em janeiro de 2013 e as obras arrancaram em abril de 2014, tendo-se prolongado por quatro anos, até ficarem concluídas em julho.

Dos três edifícios originais, virados para a Avenida Duque de Loulé, foram preservadas e recuperadas as fachadas (o quarto edifício, virado à Rua Luciano Cordeiro, é totalmente novo, pois o anterior foi demolido pelo anterior proprietário).

O projeto de arquitetura foi da responsabilidade da própria Coporgest, tendo os projetos de estabilidade sido entregues à A2P e os projetos de especialidades à P2S. A empreitada geral foi atribuída à HCI Construções, cabendo à Fine & Country a comercialização das frações.

Dos 97 apartamentos, dez estão já a ser explorados em regime de alojamento local pela Lisbon Best Apartments, uma unidade de negócio autónoma integrada na Coportgest. A abertura decorreu em setembro, mantendo-se com uma taxa de ocupação de 93%.

A Lisbon Best Apartments registou receitas totais de 1,86 milhões de euros em 2017. As estimativas para este ano apontam para um volume de negócios de 2,6 milhões de euros, com uma taxa média de ocupação dos apartamentos superior a 70%.