Joana Astolfi escreve manifesto criativo em Lisboa

Joana Astolfi no atelier de Marvila (Foto: Jorge Simão)

A fachada da ETIC, em Lisboa, vai ter a partir do próximo dia 13 um manifesto sobre a criatividade, escrito por Joana Astolfi. A instalação assinala os 25 anos da escola e terá a forma de uma folha de dossier, pautada, com o texto grafado na caligrafia da artista.

Texto de Marina Almeida

Esta é a primeira intervenção do Studio Astolfi em arte urbana na cidade, numa fachada com sete metros de altura. A obra foi concretizada em varão de metal quinado pintado. «Decidimos interpretar aquela fachada com a folha de um caderno antigo, que tem uma linha vermelha ao alto, as linhas azuis e depois os buraquinhos onde entram no dossiers. Eu escrevi um manifesto sobre o que é para mim criatividade, a experiência de criar, em inglês para ser mais universal», contou Joana Astolfi, em entrevista à DN Ócio.

O desafio partiu da Escola de Tecnologias, Inovação e Criação (ETIC), que assinala os 25 anos. «Have a mission, think sideways, be curious, take risks, make mistakes. Escrevi coisas desse género e acabei a escrever creativity takes courage, porque é preciso muita coragem», refere a artista.

O manifesto criativo de Joana Astolfi replica a folha pautada de um dossier (DR)

A escultura foi concretizada com o trabalho de dois artesãos do Studio Astolfi, Thibault Dewart e Rodrigo Sousa. «Criaram 27 moldes, um para cada letra», explica Joana Astolfi. As palavras surgem grafadas a três dimensões nas paredes da ETIC. «As letras são a preto, com se fosse grafite ou caneta. É uma folha de um caderno no meio da cidade com um manifesto que eu acho que é bastante bonito sobre o que é a arte, numa escola de artes», refere. A partir de dia 13, pode ser visto na fachada da escola de artes, na Rua D. Luis I, ao Mercado da Ribeira.

Joana Astolfi está satisfeita. «Nunca tinha feito uma fachada, arte exterior urbana a única que fizemos foi a árvore de Pedrógão». Em projeto está uma terceira intervenção, de novo em Lisboa. Trata-se uma encomenda de um monumento para Lisboa, pela Presidência da República. «Ainda estamos a pensar no que vamos fazer mas vai ser muito interessante também», diz a artista e arquiteta.

Com intenso trabalho a resgatar a memória através dos objetos, a assinatura de Joana Astolfi, 43 anos, está, por exemplo, nos restaurantes de José Avillez, nas lojas Claus e nas montras da Hermès. Desse trabalho a artista fala na entrevista à DN Ócio, que pode ser lida na edição de dezembro.