O dia de ver os Painéis de São Vicente à lupa, espreitar reservas e visitar centenas de museus grátis

Fortaleza de Peniche associa-se pela primeira vez ao Dia Internacional dos Museus (Rui Miguel Pedrosa / Global Imagens)

Este sábado, 18 de maio, celebrou-se o Dia Internacional dos Museus e há 400 portas abertas em museus, palácios e monumentos de todo o País. A entrada é gratuita e há instituições que escolheram este dia para desvendar alguns segredos bem guardados. É espreitar.

Texto de Marina Almeida

A partir de hoje às quatro da tarde, é possível ver os Painéis de São Vicente à lupa. À obra rainha do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), em Lisboa, vai juntar-se um painel interativo que permite ao visitante desvendar vários detalhes da obra, atribuída a Nuno Gonçalves, com um pormenor até agora longe do visitante do museu. Esta é uma das muitas propostas para este dia, em que os museus têm entrada livre – e alguns deles, visitas noturnas.

Ainda no MNAA, haverá visitas orientadas às obras-primas da coleção (às 11.30 e 15.00), bem como, a partir das 18.00, hora a que o museu fecha as portas, via verde para desfrutar a noite no jardim, com um “happening operático” de Catarina Molder a partir das 21.30 e DJ até à meia-noite.

Outras instituições da rede da Direção Geral do Património Cultural (DGPC) oferecem neste dia visitas guiadas. Como o Convento de Cristo, em Tomar (às 11.30 e às 14.30) ou o Museu Nacional Soares dos Reis, no Porto (às 10.00, 14,30 e 17.00). Toda a programação está disponível no site da DGPC.

As reservas do Museu dos Coches, em Belém, Lisboa, vão poder ser visitadas neste dia (Sara Matos / Global Imagens)

Neste dia, há também oportunidade para visitar as reservas de algumas instituições. Oportunidades raras, e por isso concorridas, que acontecem por exemplo no Museu Nacional dos Coches, em Lisboa, às 11.00, ou nos Açores, no Museu de Angra do Heroísmo, na ilha Terceira, das 20.00 às 23.00.

Este também é um bom dia para espreitar a reabertura da Casa-Museu Dr. Anastácio Gonçalves, em Lisboa, após obras de renovação. Haverá novos percursos na exposição temporária, com a apresentação ao público, às 16.30, de exemplares de porcelana europeia anteriormente em reserva.

A Fortaleza de Peniche, futuro Museu Nacional da Resistência e Liberdade, participa pela primeira vez nestas celebrações. Hoje às 12.00 está prevista uma apresentação daquele museu, às 12:00, seguindo-se visitas temáticas às exposições. Decorre ainda no local uma feira do livro ao longo de todo o fim de semana.

Fortaleza de Peniche associa-se pela primeira vez ao Dia Internacional dos Museus (Rui Miguel Pedrosa / Global Imagens)

Em Lisboa, os equipamentos municipais geridos pela EGEAC também abrem as portas sem bilhete pago a todos os visitantes. Oportunidade para, por exemplo, visitar a recém-inaugurada exposição de fotografia dedicada às prisões portuguesas no Museu do Aljube, the portuguese prision photo project. Ou ver as luzes de Lisboa a partir do Castelo de São Jorge, que tem entrada gratuita a partir das 20.30 e está aberto até à meia-noite. Já o Museu Bordalo Pinheiro, no Campo Grande, propõe algo irresistível: o Manifesto contra as Coisas Aborrecidas. Está tudo explicado no site da EGEAC.

Na Fundação Gulbenkian, em Lisboa, a entrada em todas as exposições é gratuita e uma oportunidade para visitar Cérebro – Mais Vasto que o Céu e Francisco Tropa – Pirgo de Chaves (e, já agora, Calouste: uma vida não uma exposição).

No Entroncamento, o Museu Nacional Ferroviário terá uma programação de visitas temáticas, conversas com profissionais da ferrovia e a possibilidade do público acompanhar uma sessão de restauro de uma automotora.

Exposição “Cérebro: mais vasta que o céu” ou uma viagem ao interior de nós próprios (MÁRIO CRUZ/LUSA)

O Dia Internacional dos Museus foi criado em 1977 pelo Conselho Internacional de Museus (ICOM) com o objetivo de promover uma reflexão sobre o papel dos museus. Este ano o tema deste dia é Museus como centros culturais: O futuro da tradição. Já a Noite dos Museus, que também se assinala este sábado, é uma iniciativa criada em 2005 pelo Ministério francês da Cultura e da Comunicação, à qual Portugal aderiu posteriormente.

De dia ou de noite, hoje há um museu ou palácio no caminho.

A partir das 20.30 a entrada no Castelo de São Jorge em Lisboa é gratuita. E pode lá ficar até à meia-noite (Gerardo Santos / Global Imagens)