As diferentes nacionalidades da Estrelas Michelin em Portugal

É uma pequena Babel nos 23 restaurantes estrela Michelin. Os chefs portugueses estão em vantagem – são 14 – mas há alemães, austríacos, franceses, um brasileiro e um espanhol a defender as cores da gastronomia nacional. Esta quarta-feira, dia 21 de novembro, serão anunciadas, em Lisboa, as novas estrelas que farão parte do Guia Michelin 2019 para Portugal e Espanha.

Texto por Marina Almeida

Dois austríacos, três alemães, um espanhol, dois franceses, um brasileiro e 14 portugueses. É esta a seleção nacional dos chefs de cozinha com estrela Michelin nos restaurantes portugueses. Entre os cinco chefs com duas estrelas há dois portugueses: José Avillez, com o seu Belcanto (2013 e 2015) e Ricardo Costa, no The Yeatman (2012 e 2017).

É austríaco o chef que há mais tempo segura uma estrela Michelin. Trata-se de Dieter Koschina, no Vila Joya, no Algarve. Desde 1995 que o boutique hotel tem estrela no Guia Michelin, conquistando a segunda quatro anos depois.

Continuando pelos duas estrelas (em Portugal não há nenhum restaurante três estrelas, a classificação máxima do guia), em 2010 foi a vez de outro austríaco e um francês entrarem neste campeonato. Hans Neuner, no Ocean, Algarve, conquistou a primeira estrela para o Ocean (a segunda chegou em 2012) e Benoît Sinthon para Il Gallo d’Oro, na Madeira (a segunda em 2017).

Entre os chefs com uma estrela, há um brasileiro – Henrique Leis, no restaurante homónimo, em Loulé, desde 2000 -, três alemães, Willie Wurger, no Willie’s, em Vilamoura, Joachim Koerper, no Eleven, em Lisboa, e Heinz Beck, no Gusto by Heinz Beck, na Quinta do Lago, o francês Miguel Laffan, no L’And Vineyards (2017), e o espanhol Sergi Arola, no LAB, Sintra (2017).

Durante seis anos o austríaco Dieter Koschina foi o único chef em Portugal com estrela Michelin – nos primeiros cinco apenas com uma, em 1999 conquistou a segunda. Só no ano seguinte, Henrique Leis e o São Gabriel (Leonel Pereira) conquistam uma estrela. Em 2006 são dois os estrangeiros a garantir uma estrela para Portugal – Joachim Koerper e Willie Wurger.

É em 2012 que os chefs portugueses começam a emergir: João Rodrigues, no Feitoria e Ricardo Costa, no The Yeatman chegam à primeira estrela. No ano seguinte é a estreia de José Avillez, com o seu Belcanto. Em 2015 chegaria à segunda estrela.

Leia também:

Os bastidores das estrelas: nem só de chefs se faz o Guia Michelin