Golfe e carros de luxo num dia diferente em Cascais

Um dos melhores campos de golfe mundiais, um hotel de cinco estrelas e quatro carros de luxo. Os dados estavam lançados para aquele que foi um dia completo que a Porta Da Frente/Christie’s – Real Estate Portugal proporcionou aos seus clientes em Cascais. A DN Ócio esteve por lá e conta-lhe tudo.

Texto de Patrícia Tadeia

Foram 96 os participantes no Primeiro Torneio de Golfe organizado pela Porta Da Frente/Christie’s. A iniciativa decorreu no Oitavos Dunes, situado na Quinta da Marinha, em Cascais, e que já integrou mais do que uma vez o ranking dos 100 melhores campos de golfe do mundo no Golf Magazine’s Top 100 Courses in The World.

«Este é o primeiro torneio que organizamos. Este campo está muito bem localizado, no meio do pinhal, com vista para o mar. A localização em sim tem também a ver com o tipo de localização das casas que vendemos. Tem a ver com a vista para o mar, com todo o encanto desta região. É o que os estrangeiros procuram muito. Este encanto que temos aqui em Cascais», começa por explicar Rafael Ascenso, diretor geral da Porta da Frente/Christie’s.

O Oitavos Dunes está situado no Parque Natural de Sintra-Cascais. Rodeado de pinheiros e dunas, tem um percurso que foi desenhado por um dos melhores arquitetos de golfe, ex-presidente da American Society of Golf Course Architects, Arthur Hills. Foi também o primeiro campo de golfe da Europa e o segundo do mundo a receber o Programa Audubon International Signature Sanctuary, ou seja, certificação ambiental.

«O campo tem 17 anos. A ideia original do Miguel Champalimaud era fazer um campo de categoria mundial, aproveitando uma localização que é muito feliz. Um campo de golfe vive da localização. Tem vistas fantásticas sobre o oceano, foi construído em dunas de areia. Preservou-se todo o ambiente e é um campo com um certificação ambiental», garante Nuno Teixeira Bastos, diretor do Golf – Oitavos Dunes. «O dia está a correr muito bem. Está um pouco de vento, mas o vento é amigo do golfe, traz bons resultados. Temos 96 pessoas em campo», acrescenta ainda, salientando que pelo Oitavos Dunes passam muitos franceses e suecos, ingleses, franceses, suíços, e alemães.

«O campo tem 17 anos. A ideia original do Miguel Champalimaud era fazer um campo de categoria mundial, aproveitando uma localização que é muito feliz.»

E foi aqui que os clientes da imobiliária puderam testar os seus dotes como golfistas. «Temos clientes de várias nacionalidades… Pessoas que estão a viver cá em Portugal e algumas que vieram propositadamente para o torneio. O que quisemos foi dar algo mais do que simplesmente vender propriedades», afirma Rafael.

E por isso, este dia não contou só com um torneio de golfe para os mais experientes – e uma clínica de golfe para os mais novatos, como nós – mas também com uma parceria com a Porsche. «Procurámos que fosse um dia completo. Começou com um bom pequeno-almoço, depois o golfe, o almoço e da parte da tarde um test-drive. Quisemos proporcionar um dia diferente, completo», explica Rafael.

E assim foi, depois de almoço, foi tempo de passear pela estrada do Guincho. «Os clientes da Porsche e da Porta Da Frente | Christie’s coincidem. É o mesmo grupo alvo. E assim, depois do golfe podem testar os dois Porsche Panamera, Cayman e 911 que temos aqui», explica Gonçalo Arriaga, responsável pelo Centro Porsche de Lisboa.

«O dia começou com um bom pequeno-almoço, depois o golfe, o almoço e da parte da tarde um test-drive.»

E por falar em público alvo, quisemos saber como se encontra o mercado imobiliário em Portugal. «A procura tem vindo a crescer bastante nos últimos quatro anos, muito potenciada pelos estrangeiros, brasileiros, franceses, alguns italianos, suecos e sul-africanos. São essencialmente os nossos mercados principais», afirma Rafael Ascenso. Quanto aos portugueses, diz o responsável, que «entraram muito forte» no mercado. «Até 2015, entre 80 e 85 por cento das nossas casas eram para estrangeiros. A partir de 2016, temos 35 a 40 por cento de vendas a portugueses. O mercado cresceu muito. A oferta, principalmente em Lisboa, estava muito adormecida e com poucos projetos novos. Hoje não. Há uma oferta vasta. Os compradores têm bastante escolha. A reabilitação urbana também tem sido fantástica em Lisboa», conclui Rafael.