De contentores a casas sofisticadas que ultrapassam os 500 mil euros

São mais de 10 mil metros quadrados aqueles que vão acolher, em 2019, um novo empreendimento sustentável e diferenciador. A UP! Containers é uma marca brasileira no segmento de construção de casas a partir de contentores e acaba de chegar a Portugal. As casas custam entre 349 mil e 549 mil euros.

Chama-se Village das Laranjeiras e fica localizado em Santo Estêvão, a 30 minutos de Lisboa. Com uma área de total de perto de 10.700 m² (sendo 6.836 m² de lotes), este projeto assenta nos ideias da sustentabilidade.

«A construção de habitações a partir de contentores e módulos está a conquistar um crescente número de pessoas em todo o mundo, nomeadamente na Europa, ao mesmo tempo que inspira projetos de arquitetura cada vez mais sofisticados», explica Lyncoln Lemes, fundador da Up! Containers. Para o responsável da empresa que já desenvolveu mais de 300 projetos em três anos de existência, «este tipo de habitação é mais do que uma casa, representando um estilo de vida que assenta no inconformismo, na diferenciação e na sustentabilidade ambiental».

A entrada no mercado europeu faz-se agora por Portugal, através do Village das Laranjeiras. «Escolhemos a região de Santo Estêvão por ser próxima de Lisboa e por possibilitar uma qualidade de vida que está de acordo com quem nos procura para os nossos projetos. A 30 minutos da capital, numa região lindíssima e muito valorizada, é possível encontrar uma habitação em forte comunhão modular, sustentável na edificação e no uso, além de eficiente do ponto de vista energético», diz Victor Mello, sócio da UP! Containers em Portugal.

«A construção de habitações a partir de contentores e módulos está a conquistar um crescente número de pessoas em todo o mundo, nomeadamente na Europa, ao mesmo tempo que inspira projetos de arquitetura cada vez mais sofisticados»

Em Santo Estêvão, começarão por nascer 18 casas em três configurações distintas: 203 m2, 207 m2 e 379 m2 e que já estão à venda com preços entre os 349 mil e os 549 mil euros.

O Village das Laranjeiras contará com um sistema para redução de consumo energético (incluindo a possibilidade de instalação de painéis solares), além de possuir madeira de reflorestamento em pontos marcantes das residências, bicicletário e tomadas para carros elétricos. O revestimento térmico e acústico especialmente desenvolvido garante um ambiente agradável e sem ruído.

Guilherme Noboru, engenheiro da Up! Containers, explica que «a construção com contentores leva menos tempo para ficar pronta. A sustentabilidade ambiental é outro dos argumentos fundamentais, produzindo menos resíduos na construção e permitindo o reaproveitamento de contentores».

«Os contentores, pelo fim a que se destinam, são construídos à prova de água e de fogo, o que os torna um excelente material-base para habitações», sublinha o engenheiro, explicando que «são usados tipicamente durante 10 anos, mas a sua longevidade muito para além desse prazo permite a reutilização em projetos habitacionais, com evidentes vantagens ambientais».

Estima-se que, em todo o mundo, existam mais de 24 milhões de contentores vazios, cujo ciclo de vida para operações de carga ditou a sua substituição por novas unidades. As vantagens ambientais do reaproveitamento inteligente dos contentores são evidentes, mas Lyncoln Lemes destaca igualmente a fonte de inspiração arquitetónica: «Os contentores passam a ser encarados como ‘módulos de vida’, permitindo a associação com materiais nobres e com uma estética inédita, moderna e, acima de tudo, diferenciadora ou inconformista.» Guilherme Noboru acrescenta: «As possibilidades de combinação e criatividade são um processo transformador especialmente estimulante para um arquiteto.»