Islândia: o hotel com lagoa de água quente

A lagoa Azul a meia hora de Reiquejavique, capital da Islândia, já não é um segredo dos islandeses. Mas ainda há novidades para descobrir, como o The Retreat at the Blue Lagoon, o novo hotel rodeado por uma piscina geotérmica.

Texto de Cláudia S. Carvalho/Volta ao Mundo

Formada pela água de uma estação geotermal, a lagoa é, há cerca de 40 anos, local de convívio e bem-estar. As águas, ricas em minerais como sílica e súlfur (enxofre), ganharam fama no tratamento de problemas de pele e o boom do turismo tornou-a um dos locais mais visitados do país. A recente pressão é vista como uma ameaça, por isso aqui tenta encontrar-se um caminho de desenvolvimento turístico mais sustentável.

Até agora era possível passar o dia na lagoa e aproveitar os tratamentos, mas não existia alojamento com acesso direto às águas geotermais.

Tudo está a mudar. Em abril abriu o The Retreat at the Blue Lagoon. Afastado das zonas públicas da lagoa, tem apenas 62 suites, algumas com acesso direto à lagoa. O design do hotel reflete os tons e a austeridade da natureza, tão presente no exterior. Uma das grandes razões para uma visita é o Retreat Spa, que fica num piso subterrâneo «escavado» no campo de lava.

Aqui somos convidados a fazer uma sauna, a cobrir o corpo num tratamento com sílica, algas e minerais ou a fazer uma massagem dentro da lagoa. No inverno corre-se o risco de juntar a estas, outra experiência inesquecível – ver uma aurora boreal.

No restaurante Moss brilham os melhores ingredientes da Islândia, como as vieiras, a lagosta e o bacalhau fresco.

Este é um país de vulcões, fiordes, géiseres, campos de lava e piscinas geotermais. Poucos se atrevem a visitá-lo no inverno.

É nessa altura que o sossego dos islandeses está garantido. No verão, está garantido a
todos, aqui neste «retiro» de excelência.