Paula Rego e Pomar em leilão em Lisboa

Um quadro de Paula Rego e três óleos de Júlio Pomar (1926-2018) são os destaques de um leilão de arte moderna e contemporâneas e antiguidades no Palácio do Correio Velho, em Lisboa, nos próximos dias 18 e 19.

Texto Marina Almeida

Com uma base de licitação de 200 mil euros, A Ilha do Tesouro, de Paula Rego, pintado em 1972, em técnica mista com colagens sobre tela, é um dos destaques dos 624 lotes que vão à praça na leiloeira lisboeta.

De Júlio Pomar, artista falecido em maio último, vão a leilão três óleos sobre tela, uma serigrafia e um desenho. O óleo sobre tela Casamento, de 1961, tem um valor base de licitação 100 mil euros (lote 279). Esteve, segundo o catálogo da leiloeira, em várias exposições: 1962, Lisboa, Galeria Diário de Notícias; 1978, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian; 1978, Idem, Porto, Museu Nacional Soares dos Reis; 1994, Caldas da Rainha, Museu José Malhoa / Évora, Museu de Évora.

Entrada de Touros, de 1963, com um valor base de 80 mil euros, e Un Taureau dans une Coquille (1984), 40 mil euros, são os outros óleos sobre tela de Pomar que vão a leilão.

Mas há mais artistas portugueses neste leilão: José Escada, Costa Pinheiro, João Cutileiro, Menez, José de Guimarães, entre outros. Uma aguarela de Roque Gameiro (Alfama, lote 227) e a Ribeira de Lisboa por João Abel Manta (lote 118) estão no catálogo deste leilão, assim como um quadro de Adriano Costa: Restaurante o Grego, de 1922 – trata-se do então famoso restaurante da Praia das Maçãs, Sintra, que também inspirou José Malhoa.

Gérard Castello-Lopes

Nota ainda para três fotografias de Gérard Castello-Lopes (1925-2011) de 1958, provenientes do espólio do artista, assinadas no verso, surgem nos lotes 80, 81 e 83 com uma base de licitação de 1500 e 800 euros. A leiloeira nota, no catálogo, a raridade destas obras a preto e branco: “esta obra é inédita e nunca foi publicada ou exposta. Chamamos a atenção para a raridade desta prova fotográfica estar assinada, pois o autor assinou muito poucas”.

Comprador ou não, as obras a leilão vão estar em exposição este sábado, das 10:00 às 20:00, e a 16 e 17 de julho, entre as 15:00 e as 21:00 no Palácio do Correio Velho (Calçada do Combro, 38A, em Lisboa).